Make your own free website on Tripod.com
Instalando o
Linux Debian


AVISO
Este documento foi traduzido mas ainda nao foi revisado. Nao tome a traducao como definitiva.


Sobre Copyrights e Licenças de Software

Estou certo que você leu as licenças que vêm com software comercial - dizem que você só pode usar uma cópia do software em um computador. O Sistema Debian GNU/Linux não é assim. Encorajamos você a colocar uma cópia em cada computador em sua escola ou local de trabalho. Empreste-o a seus amigos, e ajude-os a instalar em seus computadores. Você pode ainda fazer milhares de cópias e vendê-las - com algumas restrições. Isto é porque Debian é baseado em software livre.

Software livre não quer dizer que não tem copyright, e não quer dizer que o CD que você compra contendo este software é distribuído sem nenhum crédito, simplesmente significa que as licenças de programas individuais não requerem que você pague o privilégio de copiar os programas. Há outros tipos de restrições sobre como copiar o software, as quais você pode ler uma vez que tenha instalado o sistema. Por exemplo, muitos dos programas no sistema são licenciados sob a GNU General Public License, ou GPL. A GPL requer que você torne o código fonte dos programas disponível sempre que distribuir uma cópia do programa. Assim, incluímos o código fonte para todos aqueles programas no sistema Debian. Há várias outras formas de copyright e licença de software usados nos programas em Debian. Você pode encontrar os copyright  e licenças de cada programa olhando no diretório /usr/doc/nome do programa/copyright após ter instalado seu sistema.

O aviso jurídico mais importante é que este software vem sem nenhuma garantia. As pessoas que escrevem software livre não podem ser processadas por isso.


- REQUISITOS DO SISTEMA


CPU

Seu computador deve possuir um processador 386, 486, Pentium, ou Pentium Pro, ou um dos clones desses processadores produzido por fabricantes tal como Cyrix, AMD, TI, IBM, etc. Se seu processador tem letras como "sx", "sl", "slc", etc. depois do número como em "386sx",  isto é bom. O sistema não rodará em processadores 286 ou mais antigos.

Bus de I/O

Seu computador deve usar bus ISA, EISA, PCI, ou VL. O bus VL é também conhecido como VESA Local Bus ou VLB. Os computadores que possuem  PCI ou VLB geralmente têm slots ISA ou EISA também. Linux oferece algum suporte para o bus Micro-Channel usado em computadores IBM PS/2, mas isto não é incluído no Debian rescue disk. RAM e Disco Você deve ter pelo menos 4MB de RAM e 40MB de disco rigido. Se quiser instalar tudo, do jogo de xadrez até o software de projeto de circuito-impresso, você necessitará de 300MB ou mais. As interfaces de disco que emulam a interface de disco rigido "AT" as quais freqüentemente são chamadas MFM, RLL, IDE, ou  ATA são suportadas. As controladoras de disco SCSI de muitos fabricantes diferentes são suportadas. Veja o Linux Hardware Compatibility HOWTO para mais detalhes.

Video

Você deveria usar uma interface de video VGA-compatível para o terminal de console. Quase toda placa de video moderna é compatível com VGA.  CGA, MDA, ou HGA trabalham OK para texto, mas elas não trabalharão com o Sistema X Window, e nós não as  testamos. O uso de um terminal serial para o console ainda não é suportado.

Outro Hardware

O Linux suporta uma grande variedade de dispositivos de hardware como mouses, impressoras, scanners, modems, placas de rede, etc. Entretanto, nenhum desses dispositivos são requisitados na instalação do sistema.


- ANTES DE VOCE COMECAR


Backups

Antes de você começar, assegure-se de fazer backup de cada arquivo que está agora em seu sistema. O procedimento de instalação pode limpar todos os dados em seu disco rigido!

A informacao que voce precisara

Além deste documento, você necessitará do manual de cfdisk - cfdisk.txt,  o  tutorial de dselect - dselect.beginner.8.html, o Linux Hardware Compatibility HOWTO,  e o X11_release_ note.txt  para usuários de teclado diferente de US.

Se seu computador está conectado a uma rede, você deve pedir a seu administrador de sistema esta informação:
 


- CONFIGURANDO SEU SISTEMA


Discos

Há alguns detalhes de hardware que você deve examinar. Primeiro, decida em qual disco você quer colocar o sistema Linux. Você já fez backup dele junto com seus outros discos, certo?

O menu de SETUP do BIOS

Sua motherboard provavelmente providencia um menu de SETUP do BIOS. Alguns sistemas iniciam esse menu se você aperta DEL enquanto o sistema está inicializando, alguns requerem um SETUP disk (disco de SETUP), e alguns possuem outros meios de invocar o menu. Se você pode iniciar esse menu, use-o para controlar as características discutidas nos vários parágrafos seguintes.

Selecao do Dispositivo de Boot

Muitos menus de SETUP do BIOS permitem a você selecionar os dispositivos que serão usados para comandar a entrada do sistema. Configure isto para procurar um sistema operacional inicializável em a:, (o primeiro disco flexivel), e então c:
(o primeiro disco rigido). Uma vez que você vai inicializar Linux de um disquete na instalação, é importante que o BIOS habilite o boot de um disco flexivel.

Memoria Estendida vs. Expandida

Se seu sistema proporciona tanto memória estendida quanto expandida, configure-o de modo que exista muita memória estendida e pouca memória expandida quanto possível. Linux requer memória estendida e não pode usar memória  expandida.

Protecao de virus

Desabilite quaisquer características de proteção de vírus que seu BIOS pode proporcionar. Se você possui uma placa de proteção de vírus ou outro hardware especial, assegure-se que esteja desabilitado ou fisicamente removido. Estes não são compatíveis com Linux, e Linux possui um melhor método de protegê-lo de vírus.

Shadow Ram

Sua motherboard provavelmente providencia shadow RAM. Você pode ver configurações para "Video BIOS Shadow", "C800-CBFF Shadow", etc. Desabilite toda shadow RAM. Shadow RAM é usada para acelerar acessos a ROMs em sua motherboard e em algumas placas controladoras. Linux evita usar essas ROMs na sua inicialização porque providencia seu próprio software de 32-bits mais rápido em lugar dos programas de 16 bits nas ROMs. Desabilitando a shadow RAM pode tornar alguma parte dela disponível para os programas usarem como memória normal. Deixando a shadow RAM habilitada pode interferir com o acesso de Linux a dispositivos de hardware.

Advanced Power Management

Se sua motherboard proporciona Advanced Power Management (APM - Gerenciamento Avançado de Energia), configure-a de modo que o gerenciamento de energia seja controlada por APM. Desabilite os modos doze, standby, suspend, nap e sleep, e desabilite hard-disk power-down timer. Linux pode controlar esses modos, e pode fazer um melhor trabalho de gerenciamento de energia que o BIOS. A versão do kernel do sistema operacional nos disquetes de instalação não faz isso, entretanto, use APM, porque tivemos relatórios de um crash de sistema de um laptop quando o Linux APM driver é configurado. Depois que você tenha instalado Linux, você pode instalar o pacote fonte do kernel e construir uma versão customizada do kernel para habilitar APM e outras características.

A Chave de Turbo

Muitos sistemas possuem uma chave de turbo que controla a velocidade da CPU. Selecione a configuração de alta velocidade. Se seu BIOS permite você desabilitar controle de software da chave de turbo (ou controle de software da velocidade da CPU), faça-o então e trave o sistema em modo turbo. Temos um relatório que, num sistema particular, enquanto Linux está auto-investigando (procurando por dispositivos de hardware), pode acidentalmente atingir o controle de software para a chave de turbo.

Turbinando sua CPU

Muitas pessoas tentaram operar sua CPU 90 MHz a 100 MHz, etc. Ela às vezes trabalha, mas é sensível a temperatura e outros fatores e realmente pode danificar seu sistema. O autor deste documento turbinou seu próprio sistema durante um ano; o sistema iniciava abortando o programa gcc com um sinal inesperado enquanto estava compilando o kernel do sistema operacional. Voltando a velocidade da CPU a seu valor normal resolveu o problema.

RAM ruim

O compilador gcc é freqüentemente o primeiro a para de RAM ruim (ou outros problemas de hardware que mudam dados imprevisivelmente) porque constrói enormes estruturas de dados que cruza repetidamente. Um erro nessas estruturas de dados provocará uma instrução ilegal ou acesso a um endereço não existente. O sintoma disso será a parada de gcc por um sinal inesperado.

A melhor das motherboards suporta RAM c/ paridade e atualmente avisará se seu sistema tem um erro de single-bit na RAM. Infelizmente, elas não possuem um meio de fixar o erro, de modo que geralmente travam imediatamente depois que noticiam sobre a RAM ruim. Ainda é melhor ser avisado que se tem memória ruim que ter silenciosamente erros inseridos em seus dados. Dessa forma, os melhores sistemas possuem motherboards que suportam SIMMs com paridade e paridade verdadeira.

RAM c/ Paridade Falsa ou ("virtual" )

Se voce pergunta sobre RAM c/ Paridade em uma loja de computador, você provavelmente conseguirá SIMMs c/ paridade virtual em vez de c/ paridade verdadeira. SIMMs c/ paridade virtual podem freqüentemente (mas não sempre) ser distinguidas porque elas só possuem um chip a mais que uma equivalente SIMM sem paridade, e esse chip extra é menor que todos os outros. SIMMs c/ paridade virtual trabalham exatamente como a memória sem paridade. Elas não podem avisá-lo quando tem um erro de single-bit como fazem as SIMMs c/ paridade verdadeira em motherboard que implementa paridade. Jamais pague mais por uma SIMM c/ paridade virtual que uma sem paridade. Espere pagar um pouco mais por SIMMs c/ paridade verdadeira, porque você realmente está comprando um bit extra de memória para cada 8 bits.

Se você possui RAM c/ paridade verdadeira e sua motherboard pode manipulá-la,  tenha certeza de habilitar qualquer configuração de BIOS que faça a motherboard interromper em erros de paridade de memória.

CPUs Cyrix e Erros de Disquete

Muitos usuários de CPUs Cyrix tiveram que desabilitar o cache em seus sistemas durante a instalação, porque o disquete possuia erros se assim não fizessem. Se tiver de fazer isso, assegure-se de reabilitar seu cache quando terminar com a instalação, já que o sistema roda muito mais lento com o cache desabilitado.

Nós não achamos que isto seja necessariamente uma falha da CPU Cyrix. Pode ser alguma coisa que Linux pode trabalhar perto. Continuaremos a examinar o problema. Para o tecnicamente curioso, suspeitamos de um problema com o cache ser inválido depois de um chaveamento de código de 16 para 32 bits.

Multiplos Processadores

Temos vários relatórios que Debian roda bem (e muito rápido) em sistemas com dois (ou mais) processadores Pentium ou Pentium Pro na mesma motherboard. Para tirar proveito de múltiplos processadores, você terá que instalar o pacote fonte do kernel e então recompilá-lo com suporte a multiprocessamento simétrico habilitado. Neste momento (kernel versão 2.0.30) o meio que você habilita isso é editar o topo do Makefile para o kernel e comentar a linha que diz "SMP = 1". Se você compila software num sistema multiprocessado, procure o flag "-j" na documentação sobre "make".

Configuracoes de BIOS para se Ter Cuidado

Se seu BIOS oferece algo como "15-16 MB Memory Hole", por favor desabilite isso. Linux espera encontrar memória lá se você possui esse tanto de RAM.

Temos um relatório de uma motherboard Intel Endeavor em que existe uma opção chamada "LFB" ou "Linear Frame Buffer". Isto tem duas configurações: "Disabled" e "1 Megabyte". Configure-o para "1 Megabyte". Quando desabilitado, o disco de instalação não era lido corretamente, e o sistema eventualmente travava. Neste documento, nós não entendemos o que está ocorrendo com esse dispositivo particular - ele somente trabalhava com essa configuração e não sem ela.

Configuracoes de Hardware para se Ter Cuidado

Se algumas placas proporcionam "memória mapeada", a memória deve ser mapeada em algum lugar entre 0xA0000 e 0xFFFFF (de 640K a 1 megabyte) ou num endereço pelo menos 1 megabyte maior que a quantidade total de RAM em seu sistema.

Hardware especifico para Windows

Uma tendência perturbadora é a proliferaçao de modems Windows e impressoras. Em alguns casos, eles são especialmente projetados para ser operados pelo sistema operacional Microsoft Windows e levam a legenda WinModem ou Made expecially for Windows-based computers (fabricado especialmente para computadores baseados em Windows). Isto geralmente é feito pela  remoção dos processadores embutidos do hardware e deixando o trabalho que eles fazem para um driver Windows que é executado pela CPU principal de seu computador. Essa estratégia torna o hardware mais barato, mas as economias não são freqüentemente repassadas para o usuário e esse hardware pode ainda ser mais caro que os dispositivos equivalentes que preservam sua inteligência embutida.

Você deve evitar hardware especifico para Windows por duas razões. A primeira é que os fabricantes geralmente não tornam os recursos disponiveis para escrever um driver Linux. Geralmente, o hardware e a interface de software para o dispositivo são proprietários, e a documentação não está disponível sem um acordo de não-revelação, caso esteja disponível no todo. Isto impede-o de ser usado para software livre, uma vez que os produtores de software expõem o código fonte de seus programas. A segunda razão é que como os dispositivos iguais a esses tiveram seus processadores removidos, o sistema operacional deve executar o trabalho desses processadores, freqüentemente em prioridade real-time ( tempo real), e dessa forma a CPU não está disponível para rodar seus programas pois estará guiando esses dispositivos. Desde que o usuário tipico de Windows não faz multitarefa tão intensivamente quanto um usuário de Linux, os fabricantes esperam que o usuário de Windows simplesmente não note o peso que esse hardware coloca em sua CPU. Entretanto, qualquer sistema operacional multitarefa, ainda que Windows 95 ou NT, é degradado quando os fabricantes de periféricos restringem a potência de processamento embutido de seu hardware.

Você pode ajudar nessa situação encorajando esses fabricantes a liberar a documentação e outros recursos necessários para nós programarmos seu hardware, mas a melhor estratégia é simplesmente evitar esse tipo de hardware até que esteja listado como em funcionamento no Linux Hardware Compatibility HOWTO.

Hardware Proprietario

Alguns fabricantes simplesmente não nos contarão como escrever drivers para seu hardware, nem nos permitirão acessar a documentação sem acordo de não-revelação que nos preveniria de liberar o código fonte de Linux. Um exemplo é o sistema de som DSP de laptop da IBM usado em recentes sistemas ThinkPad - algum desses sistemas também acoplam o sistema de som ao modem. Uma vez que não tivemos acesso à documentação nesses dispositivos, eles simplesmente não funcionarão sob Linux. Você pode ajudar pedindo aos fabricantes de tal hardware que liberem a documentação. Se bastante pessoas pedirem, saberão que Linux é um importante mercado. O Linux Hardware Compatibility HOWTO providencia informação sobre quais dispositivos atualmente possuem drivers Linux.


- OS METODOS PARA INSTALAR O DEBIAN


Para instalar Debian você necessita de um Initial Boot Medium (Mídia de Boot Inicial). Depois do boot você instala o Kernel e os Módulos, o Sistema Base e os pacotes Debian. (Instruções detalhadas de instalação seguem abaixo)

A seguinte lista mostra qual midia pode ser usada como fonte para esses componentes.

Initial Boot Medium
O Initial Boot Medium é usado para iniciar a instalação de Debian. Ele inicializa o sistema de instalação e executa o programa de instalação. O sistema de instalação pode ser inicializado por:
disco flexivel   O disco necessário é chamado Rescue Disk. O Rescue Disk (normalmente) contém o kernel e o filesystem root que providencia os arquivos e programas necessários para a instalação básica. CD-ROM

Você necessita de Debian num CD inicializável e o computador deve ser capaz de inicializar do drive de CD-ROM. Loadlin em um sistema DOS em funcionamento

Você necessita de um sistema DOS já rodando. Copie linux e root.bin nesse sistema, além do mais você precisa  de loadlin do diretório tools.

Loadlin é usado para inicializar o kernel: loadlin linux root=/dev/ram initrd=root.bin Em alguns casos o filesystem root deve ser carregado de um disco extra: Quando você inicializa de um disquete de 1.2MB, você necessita do Root Disk porque o arquivo de imagem de disco não cabe no primeiro disquete de 1.2MB. Quando você tem menos de 6MB de RAM, você necessita do especial Low-Memory Root Disk. Você deve inicializar de disquete.

Kernel e Módulos Driver
O kernel Linux e os módulos podem ser instalados de:
disquete (Rescue Disk e Driver Disk) filesystem no disco rigido local (msdos, minix ou ext2) CD-ROM Em todos menos no primeiro caso você necessita de um diretório que contenha os arquivos resc1440.bin e drv1440.bin na mídia.

Se você possui um drive de CD-ROM com uma interface proprietária (nem SCSI nem ATAPI) você necessita do Driver Disk em ordem para instalar o driver de interface de CD-ROM do disquete.

Sistema Base
O Sistema Base contém o sistema inicial de Debian que será copiado para o disco rigido. O Sistema Base pode ser instalado de:
disquete (cinco disquetes de 3,5" ou 5,25") filesystem num disco rigido local (msdos, minix ou ext2) CD-ROM NFS (Network File System) Em todos menos no primeiro caso você necessita de um diretório que contenha o arquivo base1_3.tgz na midia.
Pacotes Debian
Uma vez que você instalou o sistema Base e reinicializou para atualizar o sistema, dselect instala mais Pacotes Debian. Esses Pacotes podem ser instalados de:
disquete (você necessitará de muitos disquetes, tente evitar isso!) filesystem num disco rigido local (msdos, minix ou ext2) CD-ROM NFS FTP


- ESCREVENDO OS ARQUIVOS DE IMAGEM DE DISCO PARA DISQUETE.


Os seguintes discos podem ser necessários para instalar Debian (Leia seção acima para decidir quais discos você necessita):

Rescue Disk
Se seu drive a: do sistema sobre o qual você instalará Linux usa disquetes de 1.44MB, você necessitará do arquivo resc1440.bin; se usa disquetes de 1.2MB, você necessitará do arquivo resc1200.bin.
Driver Disk
Se seu drive a: do sistema sobre o qual você instalará Linux usa disquetes de 1.44 MB, você necessitará do arquivo drv1440.bin; se usa disquetes de 1.2 MB, você precisará do arquivo drv1200.bin.
Root Disk
O Root Disk pode ser criado do arquivo root.bin.
Low-Memory Root Disk
O Low-Memory Root Disk pode ser criado do arquivo lmemroot.bin. Esse arquivo é de 1.2MB, então cabe em ambos os disquetes de alta densidade 3,5" e 5,25".
Discos Base
Esses discos serão gerados dos arquivos base-1.bin, base-2.bin, base-3.bin, base-4.bin, e base-5.bin. Esses arquivos são de 1.2MB, então cabem em ambos os disquetes de alta densidade 3,5" e 5,25".
Se você está usando um web browser num computador ligado em rede para ler este documento, você provavelmente pode recuperar os arquivos selecionando seus nomes em seu web browser. Diferentemente, você pode recuperá-los de ftp://ftp.debian.org/debian/stable/disks-i386/current/, ou um diretório semelhante em qualquer dos sites de espelho de FTP Debian. Todos eles são arquivos de imagem de disco, o que significa que cada arquivo contém o conteúdo completo de um disquete em modo raw (bruto). Um programa especial é usado para escrever os arquivos de imagem para disquete em modo raw.

Encontre (até) 8 disquetes formatados. Marque-os como "Rescue", "Device Drivers", "Custom Boot", "Base 1", "Base 2", "Base 3", e "Base 4".

Nenhum arquivo é escrito para o disquete Custom Boot, este será escrito pelo sistema Debian quando estiver sendo instalado.

Escrevendo de um sistema DOS, Windows, ou OS-2

Você achará o programa rawrite2.exe no mesmo diretório das imagens de disco. Existe também um arquivo rawrite2.txt contendo instruções para rawrite2.exe.

Para escrever os arquivos de imagem de disco para os disquetes, use o comando

rawrite2 -f arquivo -d drive
onde arquivo é um dos arquivos de imagem de disco, e drive é a: ou b:.

Conjunto de disco de Instalacao Especial

Algumas vezes um determinado hardware requer versões especiais do kernel Linux ou  especialmente kernels "remendados" (patch) são necessários para rodar Linux em ordem. Por este motivo, imagens de disco usando estes kernels especiais estão disponíveis. Eles estão colocados em subdiretórios de special/. Se você tiver algum problema com a instalação de Debian verifique os arquivos README  nesses diretórios para descobrir ou seja você deve tentar estas imagens de disco.

Escrevendo de um Sistema Linux ou Unix

Alguns sistemas tentam automaticamente montar o disquete quando você o coloca no drive. Você pode ter de desabilitar essa feature antes da workstation permitir-lhe escrever um disquete em modo raw. Infelizmente, eu não sei o comando necessário para fazer isso em sua workstation particular. Peça ao seu administrador de sistema.

Para escrever os arquivos de imagem de disco para os disquetes, use o comando

dd if=arquivo of=/dev/fd0 bs=512 conv=sync; sync onde arquivo é um dos arquivos de imagem de disco. /dev/fd0 é um nome comumente usado do dispositivo de disco flexivel, pode ser diferente em sua workstation. O comando pode retornar ao prompt antes do Unix ter acabado a escrita do disquete, assim procure o led de disco-em-uso e tenha certeza que o led esteja apagado e o disco tenha parado de girar antes de você removê-lo do drive. Em alguns sistemas, você terá de executar um comando para ejetar o disquete do drive.


- INSTALANDO O SISTEMA


Confiabilidade de Disquete

O problema número um de pessoas instalando Debian pela primeira vez parece ser confiabilidade de disquete.

O Rescue Floppy é aquele com os piores problemas, porque esse disco é lido pelo BIOS antes de Linux inicializar. O BIOS não parece ler tão confiável quanto o driver de disco flexivel de Linux, e pode parar sem imprimir uma mensagem de erro caso leia dados incorretos. Também pode haver falhas no disquete de drivers e nos disquetes base, a maioria das quais indica eles mesmos com uma inundação de mensagens sobre erros de I/O de disco.

Se você está tendo a instalação paralisada num disquete particular, a primeira coisa que você deve fazer é efetuar o download novamente da imagem de disco e escrevê-la para um disquete diferente. Simplesmente reformatar o disquete antigo não é suficiente, mesmo que aparentemente o disquete tenha sido reformatado e escrito sem erros. Às vezes é útil tentar escrever o disquete em um sistema diferente.

Um usuário informa que teve de escrever três disquetes de boot antes de um ter funcionado, e assim tudo correu bem com o terceiro disquete.

O Rescue Floppy

Coloque o Rescue Floppy no drive a:, e resete o sistema pressionando a chave reset, desligando o sistema e então ligando, ou pressionando Control-Alt-Del no teclado. O disquete deve ser acessado, e você deve então ver uma tela que introduz o rescue floppy e termina com o prompt boot: . É chamado de Rescue floppy (disquete de recuperação ou de socorro) porque você pode usá-lo para inicializar seu sistema e executar reparos sempre que um problema torna seu disco rigido não-inicializável. Por isso, você deve guardar esse disquete depois que tenha instalado seu sistema. Pressionando F3 dará mais informação sobre isto.

Você pode fazer duas coisas no prompt boot: . Pode pressionar as teclas de função F1 até F10 para ver algumas páginas de informação útil, ou pode inicializar o sistema. Se você tem menos de 6 MB de RAM, você tem de usar um método de boot de disquete (os métodos de boot são listados apertando F3), e você tem de inserir o Low-Memory Root Disk quando solicitado pelo root floppy. Este disquete não deve ser protegido contra escrita. Se você inicializar de um drive de 1.2MB, você precisa  usar o método de boot ramdisk, e você necessitará do Root Disk. Se você possui alguns dispositivos de hardware que não são acessados corretamente por Linux quando este inicializa, você pode encontrar um parâmetro para adicionar à linha de comando do boot nas telas que você vê apertando F4 e F5. Se você adiciona alguns parâmetros à linha de comando do boot, esteja certo de digitar o método de boot (o default é linux) e um espaço antes do primeiro parâmetro. Se você simplesmente apertar Enter, isto é o mesmo que digitar linux sem qualquer parâmetro especial.

Se esta é a primeira vez que você está inicializando o sistema, somente pressione Enter e veja se funciona corretamente. Provavelmente sim. Se não, você pode reinicializar mais tarde e procurar alguns parâmetros especiais que informam ao sistema sobre seu hardware.

Depois que você apertar Enter, você deve ver a mensagem Loading..., e depois Uncompressing Linux..., e então uma página ou menos de informação enigmática sobre o hardware em seu sistema. Pode haver muitas mensagens na forma can't find something, ou something not present, can't initialize something, or ainda this driver release depends on something . A maioria dessas mensagens são inofensivas. Você as vê porque o disco de boot de instalação é construído para rodar em computadores com muitos dispositivos periféricos diferentes. Obviamente, nenhum computador terá todo periférico possível, sendo assim o sistema operacional pode emitir algumas queixas enquanto procura periféricos que você não possue. Você também pode ver o sistema parar temporariamente. Isto acontece quando ele está esperando por um dispositivo responder, e aquele dispositivo não está presente em seu sistema. Se você achar o tempo de boot do sistema inaceitavelmente longo, você pode criar um custom kernel (kernel customizado), depois de ter instalado seu sistema, sem todos os drivers para dispositivos não-existentes.

Se você escolhe um método de boot não-default, por exemplo ramdisk ou floppy, você será solicitado a inserir o Root floppy. Insira o Root Floppy no primeiro drive de disquete e pressione Enter. (Se você escolhe floppy1 insira o Root Floppy no segundo drive de disco.)

Sistemas c/ Pouca Memoria

Se seu sistema tem menos de 6MB de RAM, um parágrafo sobre pouca memória e um menu de texto com quatro escolhas podem ser exibidos. Isto significa que o sistema detectou que você não tem memória suficiente para uma instalação normal, doravante deve seguir um procedimento especial de instalação c/ pouca memória. Siga pelas seleções do menu na ordem:

Em acréscimo crie uma partição MINIX (tipo 81). Ela sustentará o filesystem root no processo de prévia instalação. Seu tamanho deve ser pelo menos 2 megabytes. Esta partição pode ser deletada quando a instalação terminar.

Agora crie as partições ext2 (tipo 83) nas quais você instalará Debian.

A Caixa de Dialogo Colorido ou Monocromatico

Depois que o sistema terminou o boot, você deve ver a caixa de diálogo de escolha colorido ou monocromático. Se seu monitor exibe preto e branco, pressione Enter para continuar com a instalação. Diferentemente,  use a tecla de direção para mover o cursor para o item de menu Color (Colorido) e então pressione Enter. O display deve mudar de preto e branco para colorido. Pressione Enter novamente para continuar com a instalação.

O Menu Principal

Você pode ver uma caixa de diálogo que diz The installation program is determining the current state of your system (O programa de instalação está determinando o estado atual de seu sistema). Em alguns sistemas, isto será muito rápido para ler. Você verá essa caixa de diálogo entre os passos no menu principal. O programa de instalação verificará o estado do sistema entre cada passo. Esta verificação permite a você reiniciar a instalação sem perder o trabalho que você já tenha feito se acontecer de paralisar seu sistema no meio do processo de instalação. Se tiver de reiniciar uma instalação, você terá de configurar colorido ou monocromático, configurar seu teclado, reativar sua partição de swap, e remontar quaisquer discos que foram inicializados. Alguma coisa também que você tenha feito com o sistema de instalação será salvo.

Durante o processo inteiro de instalação, você será apresentado ao menu principal. As escolhas no topo do menu mudarão indicando seu progresso na instalação do sistema. Phil Hughes escreveu no Linux Journal que você podia ensinar uma galinha a instalar Debian! Ele quis dizer que o processo de instalação foi sobretudo bicar na tecla return. A primeira alternativa no menu de instalação é a próxima ação que você deve executar de acordo com o que o sistema detecta que já tenha feito. Ele deve dizer Next (Próximo), e neste ponto o próximo item deve ser Configure the Keyboard (Configure o Teclado).

Configurando o Teclado

Assegure-se que o cursor esteja realçado no item Next, e Pressione Enter para ir ao menu de configuração do teclado. Selecione um teclado que se adapta ao layout usado para sua lingua, ou selecione alguma coisa para fechar se o layout de teclado que você quer não esteja representado. Depois que o sistema tenha sido instalado, você será capaz de selecionar um layout de teclado de um leque maior de opções. Mova o cursor para a seleção de teclado que você deseja e aperte Enter. Use as teclas de direção para mover o cursor - elas estão no mesmo lugar em todos os layout de teclado- sendo então independentes da configuração de teclado.

O Shell

Se você é um usuário avançado de Unix ou Linux, aperte Alt esquerdo-F2 para conseguir o segundo console virtual, isto é,   a tecla Alt do lado esquerdo da barra de espaço e a tecla de função F2, ao mesmo tempo. Essa é uma janela separada rodando um clone do Bourne shell chamado ash. Neste ponto você está inicializado do RAM disk, e há um conjunto limitado de utilitários Unix disponíveis para seu uso. Você pode ver quais programas estão disponíveis com o comando                        ls /bin /sbin /usr/bin /usr/sbin. Use os menus para executar qualquer tarefa que eles estejam habilitados a fazer - o shell e os comandos estão lá somente no caso de algo dar errado. Em particular, você sempre deve usar os menus, não o shell, ativar sua partição de swap, porque o software de menu não pode detectar que você tenha feito isto do shell. Pressione Alt esquerdo-F1 para voltar aos menus. Linux proporciona até 64 consoles virtuais, embora o Rescue floppy somente use alguns deles.

Ultima Chance!

Dizemos para você fazer backup de seus discos?. Eis sua primeira chance para limpar todos os dados em seus discos, e sua última chance para salvar seu antigo sistema. Se você não tem backup dos seus discos, remova o disquete do drive, resete o sistema, e faca backups.

Divisao de seus Discos Rigidos

Se você já não particionou seus discos para filesystems Linux nativo e Linux swap, o item do menu Next será Partition a Hard Disk (Divisão de um Disco Rigido). Se você já criou pelo menos uma partição de disco Linux Nativo e uma Linux Swap, a seleção do menu Next será Initialize and Activate the Swap Partition (Inicialize e Ative a Partição de Swap), ou você pode ainda pular este passo se seu sistema tinha pouca memória e você foi questionado para ativar a partição de swap tão logo o sistema tenha inicializado. Qualquer que seja a seleção do menu Next, você pode usar a tecla da seta para baixo para selecionar Partition a Hard Disk.

O item de menu Partition a Hard Disk apresenta-se com uma lista de drives de disco que você pode particionar, e roda o programa cfdisk, o qual permite você criar e editar partições de disco. O manual de cfdisk - cfdisk.txt - está incluido com este documento, e você deveria lê-lo agora. Você deve criar pelo menos uma partição "Linux" (tipo 83), e uma partição "Linux Swap" (tipo 82).

Sua partição de swap será usada para proporcionar memória virtual para o sistema e deve estar entre 16 e 128 megabytes de tamanho, dependendo de quanto espaço em disco você possui e quantos programas você quer rodar. Linux não usará mais que 128 megabytes de swap, então não há nenhuma razão para fazer sua partição de swap maior que isto. Uma partição de swap é altamente recomendada, mas você não precisa fazer se quiser, caso seu sistema possua mais que 16 megabytes de RAM. Se deseja fazer isso, por favor selecione o item Do Without a Swap Partition do menu.

A partição "Linux" abrigará todos os seus arquivos, e você pode criá-la de qualquer tamanho entre 40 megabytes e o tamanho máximo de seu disco menos o tamanho da partição de swap. Se você já está familiarizado com Unix ou Linux, você pode querer criar partições adicionais - por exemplo, você pode criar partições que abrigarão os filesystems /var, e /usr.

Inicialize e Ative a Particao de Swap

Este será o item do menu Next depois que você tenha criado uma partição de disco. Você tem a escolha de inicializar e ativar uma nova partição de swap, ativar uma previamente inicializada, e continuar sem uma partição de swap. É sempre permitido reinicializar uma partição de swap, assim selecione Initialize and Activate the Swap Partition a menos que você tenha certeza que sabe o que está fazendo. Essa escolha do menu lhe dará a opção para vasculhar a partição inteira por blocos de disco não-legíveis causado por defeitos na superfície das bandejas do disco rigido. Isto é útil se você possui discos MFM, RLL, ou discos SCSI mais velhos, e esta opção nunca os danifica. Discos IDE que funcionam corretamente não necessitam dessa opção, pois possuem seu próprio mecanismo interno para mapear blocos de disco ruins.

A partição de swap providencia memória virtual em complemento a memória RAM que você tem instalado em seu sistema. É igualmente usada para memória virtual enquanto o sistema esteja sendo instalado. Esta é a razão pela qual nós a iniciamos primeiro.

Inicialize uma Particao Linux

Neste ponto, o item do menu Next deve ser Initialize a Linux Partition (Inicialize uma Partição Linux). Se não for, é porque você não completou o processo de particionamento do disco, ou você não executou uma das opções do menu no procedimento com sua partição de swap.

Você pode inicializar uma partição Linux, ou alternadamente você pode montar uma previamente inicializada.

Estes disquetes de instalação não atualizam um sistema antigo sem remover os arquivos - Debian proporciona um procedimento diferente usando os disquetes de boot para upgrade de sistemas existentes. Assim, se você está usando partições velhas de disco que não estejam vazias, deve inicializá-las (o que apaga todos os arquivos) aqui. Você deve inicializar quaisquer partições que criou no passo de particionamento do disco. Sobre a única razão para montar uma partição sem inicializá-la neste ponto, seria montar uma partição sobre a qual você já tenha executado alguma parte do processo de instalação usando este mesmo conjunto de disquetes.

Selecione o item do menu Next para inicializar e montar a partição de disco /. A primeira partição que você monta ou inicializa será montada como / (pronuncia-se root). Você terá a opção para vasculhar a partição do disco por blocos ruins, da mesma forma quando você inicializou a partição de swap. Vasculhar por blocos ruins nunca danifica o disco, mas pode tomar 10 minutos ou mais se você possui um disco grande.

Uma vez que você tenha montado a partição /, o item do menu Next será Install Operating System Kernel and Modules a menos que você já tenha executado algum dos passos da instalação. Você pode usar as teclas das setas de direção para selecionar os itens de menu para inicializar e/ou montar partições de disco se você possui mais partições para configurar. Se você criou partições separadas para /var, /usr, ou outros filesystems, você deve inicializar e/ou montá-las agora.

Instale o Kernel do Sistema Operacional e os Modulos

Este deve ser o passo do menu Next depois que você montou seu disco /, a menos que você já tenha executado alguns dos passos da instalação em /. Selecione-o, e você será apresentado a um menu de drives para usar na leitura do kernel. Se você escolhe instalar de disquete insira o Rescue Floppy como requisitado, e o kernel será copiado para o disco rigido. Em um passo posterior, este kernel será usado para criar um disquete de boot customizado para seu sistema, e tornar o disco rigido inicializável sem um disquete.

Se você escolhe instalar de disquete você será solicitado a inserir o disquete device drivers. Os device drivers serão copiados para seu disco rigido.

Configure os Device Drivers

Selecione o item do menu Configure Device Drivers Modules e procure por dispositivos que estejam em seu sistema. Configure esses device drivers, e eles serão carregados sempre quando seu sistema iniciar. Se você quer instalar o sistema base via NFS você deve carregar e configurar o módulo de driver para sua placa de rede.

Você pode carregar os device drivers PCMCIA aqui, mas você não necessita usá-los. Depois que seu sistema esteja instalado, você pode instalar o pacote pcmcia-cs. Ele detecta cartões PCMCIA automaticamente, e configura os que encontrar. Também pode com os cartões plugados "a quente" (sem desligar o equipamento) enquanto o sistema é inicializado - eles todos serão configurados enquanto estiverem plugados, e desconfigurados quando você desconectá-los.

Configure a Rede

Você terá que configurar a rede mesmo que você não possua uma, mas você só terá que responder as duas primeiras perguntas - what is the name of your computer? (qual é o nome de seu computador?), e  is your system connected to a network? (Seu sistema está ligado a uma rede?).

Se você está ligado a uma rede, aqui vem algumas questões que você pode não ser capaz de decidir por conta própria - verifique com seu administrador de rede se você não sabe:

Alguns detalhes técnicos que você possa, ou não possa, achar à mão: o programa assume que o endereço IP da rede é o bitwise-AND do endereço IP de seu sistema e seu netmask. Ele achará que o endereço de transmissão é o bitwise OR do  endereço IP de seu sistema com o bitwise negation do netmask. Ele achará que seu sistema gateway é também seu servidor de DNS. Se você não pode encontrar algumas dessas respostas, use as suposições do sistema - você pode mudá-las depois que o sistema esteja instalado, se necessário, editando /etc/init.d/network.

Instale o Sistema Base

Selecione o item do menu Install the Base System (Instale o Sistema Base). Você será apresentado a um menu de drives para usar na leitura dos disquetes base. Selecione o drive apropriado. Se você escolher instalar de disquete insira o Base 1, 2, 3, 4 e 5 como requisitado pelo programa. Se um dos disquetes base está ilegivel, você terá que criar um disquete de substituição e inserir todos os disquetes para o sistema novamente. Uma vez que todos os disquetes foram lidos, o sistema instalará os arquivos. Isto poderia tomar 10 minutos ou mais em sistemas lentos, porém menos tempo em sistemas mais rápidos.

Configure o Sistema Base

Neste ponto você leu todos os arquivos que compõe um sistema Debian mínimo, mas você deve executar alguma configuração antes do sistema rodar. Selecione o item do menu Configure the Base System (Configure o Sistema Base).

Será pedido para você selecionar sua time zone. Procure sua time zone ou região do mundo no menu, e digite-o no prompt. Isto pode levar a outro menu, no qual você pode selecionar sua atual time zone.

Depois disso, será perguntado se o clock do seu sistema é para ser configurado para GMT ou local time (hora local). Selecione GMT se você só estará rodando Linux e Unix em seu sistema, e selecione local time se estará rodando outro sistema operacional tal como DOS ou Windows. Unix e Linux mantêm hora GMT no clock do sistema e usam software para convertê-la à time zone local. Isto permite a eles manter-se informado sobre a época do horário de verão e anos bissexto, e ainda permite usuários que estão logados de outras time zones individualmente configurar a time zone usada em seu terminal. Se você roda o clock do sistema em GMT e sua localidade obedece ao horário de verão, você verá que o sistema ajusta-se para o horário de verão adequadamente nos dias que começa e termina.

Faca o Disco Rigido Inicializavel

Se você selecionar fazer o boot do disco rigido diretamente para Linux, você será questionado a instalar um master boot record. Se você não está usando um boot manager (e este é provavelmente o caso se você não sabe o que é um boot manager), responda sim para esta questão. A próxima pergunta será se você quer iniciar Linux automaticamente do disco rigido quando você liga o sistema. Isto configura Linux para ser a partição inicializável - a que será carregada do disco rigido. Se você responde não a essa pergunta, você pode configurar a partição inicializável mais tarde usando o programa fdisk do DOS, ou com os programas fdisk de Linux ou activate.

Se você está instalando Linux em um drive que não é o primeiro disco rigido em seu sistema, assegure-se de fazer um disquete de boot. A ROM de boot da maioria dos sistemas só é capaz de inicializar diretamente do primeiro disco rigido, não do segundo. Você pode, entretanto, trabalhar sobre este problema após ter instalado seu sistema. Para fazer isso, leia as instruções no diretório /usr/doc/lilo.

Faca um Disquete de Boot

Você deve fazer um disquete de boot mesmo que pretenda inicializar o sistema do disco rigido. A razão para isto é que é possível o bootstrap do disco rigido ser mal instalado, mas um disquete de boot quase sempre funcionará. Selecione Make a Boot Floppy do menu e alimente o sistema com um disquete vazio conforme orientado. Assegure-se que o disquete não esteja protegido contra gravação, pois o software vai formatá-lo e gravá-lo. Marque-o como disquete "Custom Boot" e proteja-o contra gravação.

A Hora da Verdade

Isto é o que os engenheiros elétricos chamam the smoke test (a prova da fumaça) - o que acontece quando você liga um novo sistema pela primeira vez. Remova o disquete de boot do drive, e selecione o item do menu Reboot the System. Se o sistema Linux não iniciar, insira o disquete Custom Boot que você criou e resete seu sistema. Linux deve inicializar. Você deve ver as mesmas mensagens quando inicializou o disquete de boot da instalação, seguido por algumas novas mensagens.

Configure a Password do Root

Esta é a password (senha) para o superusuário, um login que passa por cima de toda proteção de segurança em seu sistema. Somente deve ser usada para executar administração do sistema, e só por curto tempo quanto possível. Não use root como seu login pessoal. Você será incitado a criar um login pessoal também, e este é o que você deve usar para enviar e receber e-mail e executar a maioria de seu trabalho - não root. A razão para evitar privilégios de root é que você pode ser enganado pelo funcionamento de um programa trojan-horse (cavalo de Tróia) - esse é um programa que tira proveito de seu poder de superusuário para comprometer a segurança de seu sistema atrás das suas costas. Qualquer bom livro em administração de sistema Unix cobrirá este tema com mais detalhe - considere a leitura de um se é novidade para você. A boa notícia é que Linux é provavelmente mais seguro que os outros sistemas operacionais que você pode rodar em seu PC. DOS e Windows, por exemplo, dão privilégio de superusuário a todos os programas. Esta é uma razão pela qual eles têm sido atacados por vírus.

Todas as passwords que você cria devem conter de 6 a 8 caracteres, e devem conter ambos os caracteres maiúsculos e minúsculos, bem como caracteres de pontuação.

Após ter adicionado ambos os logins, você cairá no programa dselect. É exigido a leitura do tutorial de dselect - dselect.beginner.8.html - antes de você rodar dselect. Dselect permite a você selecionar pacotes para ser instalados em seu sistema. Se você possui um CD-ROM ou disco rigido contendo os pacotes Debian adicionais que você quer instalar em seu sistema, ou você está ligado a Internet, isto será imediatamente útil a você. Diferentemente, você pode querer sair de dselect e começar mais tarde, depois que tenha transportado os arquivos de pacote Debian para seu sistema. Você deve ser o superusuário (root) quando rodar dselect. Se você está prestes a instalar o sistema X Window e não usa um teclado US, você deve ler o X11_release_note.txt

LogIn

Depois que você saiu de dselect, você será apresentado ao prompt login:  Logue-se usando o login pessoal e password  que você selecionou. Seu sistema está agora pronto para uso.


- INFORMACAO TECNICA SOBRE OS DISQUETES DE BOOT


Codigo Fonte

O pacote "boot-floppies" contém todo o código fonte para os disquetes de instalação.

O Rescue Floppy

O Rescue Floppy é um filesystem MS-DOS, e você deve ser capaz de acessá-lo de um sistema DOS ou Windows ou ainda algum outro que possa montar discos DOS. O kernel de Linux está dentro do arquivo "linux". O arquivo root.bin é uma imagem de disco gzip-comprimida de um filesystem Minix de 1.44 MB, e será carregada para a RAM disk e usada como o filesystem root.

Substituindo o Kernel

Se você achar necessário substituir o kernel no Rescue Floppy, você deve configurar seu novo kernel com essas features linkadas, não em módulos carregáveis:

Copie seu novo kernel para o arquivo "linux" no Rescue Floppy, e então rode o script shell "rdev.sh" que você encontrará no disquete.

Os Disquetes Base

Os disquetes base contêm um header de 512 bytes seguido por uma parte de arquivo "tar" gzip-comprimido. Se você desmontar byte por byte os headers e então concatenar os conteúdos dos disquetes base, o resultado deve ser o arquivo tar comprimido. O arquivo contém o sistema base que será instalado em seu disco rigido. Depois que este arquivo esteja instalado, você deve ir através do item de menu Configure the Base System dentro do sistema de instalação e outros itens de menu para configurar a rede e instalar o kernel do sistema operacional e módulos antes do sistema estar pronto para uso.
 


- COPYRIGHT DESTE DUCUMENTO
 
 

Copyright 1996 de Bruce Perens; 1996, 1997 Sven Rudolph.
Traduzido em 25 de setembro de 1997 por Fernando Cesar Carreira (fcar@universe.com.br) e revisado em 23/10/1997.
Este documento pode ser distribuído sob os termos da GNU General Public License.